Buscar
  • INDAMA

Os benefícios da reciclagem do óleo de cozinha



Por falta de conscientização, grande parte da população ainda despeja o óleo vegetal residual em terrenos baldios, no lixo e principalmente na pia, podendo causar danos irreversíveis ao meio ambiente e entupimentos das redes de esgoto. Reciclar óleo vegetal é uma forma de evitar tais problemas, promovendo benefícios ambientais, econômicos e de saúde pública.

O óleo vegetal usado pode servir como matéria prima para a fabricação de produtos como biodiesel, tintas, sabão, detergentes e outros. Para que esse óleo possa ser reciclado é necessário haver um sistema adequado de acondicionamento, coleta, transporte e destinação do material. Por isso é fundamental que nas residências e nos estabelecimentos comerciais como bares, restaurantes, hotéis e indústrias de alimentos o óleo residual seja acondicionado. Nas casas, por exemplo, ele pode ser armazenado em garrafas PET. O material geralmente é coletado por cooperativas de catadores ou por empresas que fazem a reciclagem, ou pode ser entregue diretamente nesses locais.


O óleo de cozinha é muito utilizado em restaurantes, bares e até mesmo nas nossas casas. Porém, infelizmente, há ainda muitas pessoas que despejam o óleo usado na pia ou até mesmo no vaso sanitário. O que talvez elas não saibam é que a reciclagem de óleo de cozinha é totalmente possível de ser feita e deve ser incentivada entre amigos, colegas e família. O óleo pode contaminar rios, mares e represas, acabando com a vida de diversas espécies aquáticas. Um exemplo? O fitoplâncton (conjunto de organismos aquáticos microscópicos que têm capacidade fotossintética e vivem em rios e mares), que depende da luz para se desenvolver e sobreviver. Como o óleo é menos denso que a água, fica parado na superfície da água, impedindo a entrada de luz e oxigênio. Caso vá parar no solo, o óleo o impermeabiliza, o que pode causar enchentes e alagamentos quando chegam as chuvas. Por fim, quando se decompõe, o óleo de cozinha libera gás metano, que é altamente poluente e aumenta a temperatura e o clima do planeta, contribuindo com o efeito estufa. Para se ter ideia do dano, é necessário apenas 1 litro de óleo para contaminar 20 mil litros de água, de acordo com dados da Sabesp. E tem mais: ao ser descartado incorretamente, o óleo vai direto para a rede de esgoto, e, caso esta não tenha um tratamento adequado, pode causar entupimento dos canos. Para desentupir o encanamento é necessário o uso de produtos químicos poluentes, gerando ainda mais danos ambientais e gastos econômicos. Uma vez no esgoto, o óleo de cozinha usado chega às Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs), é separado da água e tratado. Dessa forma, a água pode ser novamente despejada nos rios e lagos. Esse tratamento nas ETEs, porém, é realizado apenas com aproximadamente 68% do esgoto, ou seja, o óleo acaba chegando aos mananciais aquáticos de qualquer forma. Além disso, os gastos com esse processo são altos: cerca de 20% do custo com o tratamento do esgoto.


COMO E ONDE RECICLAR ÓLEO DE COZINHA?

Caso cozinhe apenas em casa e deseje ajudar com a reciclagem de óleo de cozinha, você deve esperar o óleo utilizado esfriar para depois despejá-lo em uma garrafa PET. Depois, basta levar as garrafas PET com óleo em algum ponto de coleta seletiva realizada por empresas ou organizações não governamentais (ONGs) especializadas. Para consultar o mais próximo à sua casa ou trabalho, basta clicar aqui. Caso seja dono de um restaurante ou lanchonete, algumas empresas instalam, gratuitamente, “bombonas” para que o óleo seja depositado ali e, depois, recolhem o resíduo de acordo com um cronograma definido com o responsável pelos reservatórios.

DE ÓLEO DE COZINHA A BIODIESEL

Quando chega à usina, o óleo é filtrado com o auxílio de uma peneira grossa para a retirada de resíduos sólidos. Estes resíduos são vendidos para terceiros, como a indústria de ração animal, para reaproveitamento. O óleo passa, então, por um processo de decantação, por meio do qual são eliminados a gordura e a água. Por fim, o produto é purificado em um filtro especial, de onde sai com menos de 3% de umidade e menos de 3% de acidez. O resultado é uma matéria-prima de elevado grau de pureza, insumo ideal para empresas produtoras de biodiesel, de acordo com a Preserva.

MÉTODO ALTERNATIVO

Algumas empresas transformam o óleo de cozinha em biodiesel por meio de um processo chamado transesterificação, que é a reação de gorduras e óleos com um álcool por meio de um catalisador. Daí, surgem o biodiesel e a glicerina, que são separados.

SABÃO DE ÓLEO DE COZINHA


Sabão feito com óleo reciclado. Foto: AlexeiLogvinovich/shutterstock.com


Você provavelmente já ouviu dizer que o óleo de cozinha pode ser reciclado para virar sabão. E é verdade, já que, depois de purificado nas usinas, ele vira tanto biodiesel quanto glicerina. Caso deseje economizar – ou até mesmo ganhar dinheiro – produzindo sabão, além de ajudar o meio ambiente, veja abaixo o passo a passo de uma receita caseira: Ingredientes

  • 1 kg de óleo de cozinha usado

  • 140 ml de água a 40°C

  • 135 gramas de soda cáustica em escamas (sólida)

  • 25 ml de álcool 70° (para ser usado caso a mistura não endureça)

  • 30 gramas de aromatizantes (prefira óleos essenciais)

Material necessário

  • 1 balde de plástico grosso

  • 1 colher de madeira ou pedaço de cabo de vassoura

  • 1 ebulidor (caso não tenha acesso ao fogão) e 1 pote de vidro para aquecer a água

  • Potes para armazenar o sabão (de manteiga/margarina, sorvete, etc)

Equipamentos de proteção (indispensáveis)

  • 1 Par de luvas de borracha (como as de lavar louça)

  • 1 Máscara hospitalar

  • 1 Óculos de proteção

  • 1 Vidro de vinagre (para amenizar os danos em caso de acidente com a soda cáustica)


PASSO A PASSO 1. Antes de tudo, coloque o equipamento de proteção. Então, filtre o óleo para retirar eventuais impurezas sólidas, como restos de comida (isto pode ser feito com uma peneira). 2. Aqueça, separadamente, a água e o óleo a 40°C. Em um ambiente externo bem arejado (extremamente importante!), despeje a água a 40° C e depois a soda cáustica em um recipiente de vidro. Siga esta ordem corretamente. 3. No balde, coloque o óleo a 40°C. Aos poucos, adicione a mistura de água e soda cáustica. 4. Mexa bem com uma colher de pau, sem parar, durante 20 minutos (ou com um mixer por 5 minutos). 5. Caso a mistura não endureça, adicione aos poucos o álcool 70° (no máximo 25ml). Desta forma, o sabão irá endurecer bem rápido. 6. Se desejar um sabão com perfume agradável, adicione aos poucos o óleo essencial. 7. Transfira o sabão para os potes. 8. Deixe o sabão descansando – fora do alcance de crianças e animais – em local seco, arejado e à sombra por 20 a 40 dias. Isso garante que os resquícios da soda cáustica sejam totalmente eliminados. Receita retirada deste post.


Fonte: https://www.reciclasampa.com.br/


ESPALHE ESSA INFORMAÇÃO

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo